Art / Photo

Adonis Perfeito

Adonis Perfeito, 38 anos, skatista profissional e videomaker. Nascido e criado em Manaus. Começou a filmar nos anos 90 e produziu os vídeos Fora do Eixo 99/2000, Perfeito Submundo, Skate Salva, Malako, Vivendo e Aprendendo. Este ano, lançou o Costume seguido de um “remix-plágio-sincero” intitulado Tanaby Safadão.

O que te motiva a produzir em Manaus?

Já morei em São Paulo, não consegui me adaptar. Voltei em 2003 e comecei a produzir o Perfeito Submundo. Eu acredito no vídeo de skateboard, acredito que ele é uma das ferramentas mais importantes. É assim que eu tento contribuir pro skateboard da minha cidade, fazendo o que eu gosto. Acredito que seja meu papel fazer isso, é a gratidão pelo skateboard daqui.

A valorização da cultura brasileira está explicita no seu ultimo vídeo. O skate veio dos Estados Unidos, juntamente com a sua cultura. Fale um pouco sobre esse choque cultural.











Comecei a editar video de skate com som nacional no primeiro promo da produtora Skate Salva. Era um desafio pra mim conseguir editar e sincronizar skate em português. Skateboard nunca será daqui, temos que ter noção disso e buscar aprender. É difícil criar identidade com esse impasse. Uma dificuldade é a variação de estilos que não consegue casar com skateboard. Acho que por isso a limitação.

E o processo de edição do Costume?

O processo de formação do vídeo foi bem aleatório. Alguns eu já tinha algo, outros comecei do zero. Busquei uma harmonia progressista, como se fosse um musical. Ser trilha nacional foi um desafio, sempre é. Acho que por isso estou fazendo um reedit, hehehe. Fazer o video com 95% de trilha nacional acaba limitando na edição, ainda mais que hoje temos acesso a tudo do mundo. Resolvi reeditar com aquelas músicas que a maioria (me incluo) às vezes não entende o que está na letra. Mas mesmo assim, não deixa de fazer sentido dentro do contexto skateboard.

Geralmente um vídeo longo passa por várias edições, cada detalhe passa a ser tratado com carinho. A reedição do vídeo foi tratada da mesma forma?

Ele surgiu aleatoriamente com o cotidiano. Acho que reflete o meu dia a dia, o que eu vivo e vivem ao meu redor. As músicas eu fui pesquisar. Comecei a perguntar dos mais próximos que curtiam determinado estilo e comecei a pedir. Sempre mostrando pros meninos que tem imagem no vídeo. A parte da Letícia não é uma crítica direta a ela, mas uma crítica a última palavra repetida, vocês lembram qual? Acho que o remix é uma oportunidade, uma oportunidade de navegar por lados que o trabalho principal não passou, mas que tem a mesma importância do primeiro.

Sobre a transição do analógico e digital? Você acha que a facilidade que a tecnologia possibilita te faz produzir mais?

Na edição eu diria que foi suave. A edição não linear trouxe facilidade e qualidade. A dificuldade era ter dinheiro pra comprar na época. Comecei editando de vídeo pra vídeo, só vi uma mesa de edição quando entrei na faculdade. Tive a sorte de editar numa mesa. Acho que como em qualquer área hoje em dia, a otimização tomou conta. A tecnologia propiciou isso, acúmulo de informação por espaço.

Qual é a melhor e a pior parte da produção de vídeos independentes?

A melhor é conseguir gerar a vontade de skateboard. A pior é a ingratidão.

You Might Also Like